Uma playlist Pussy Riot


Um guia Pussy Riot para o ativismo é o livro de Nadya Tolokonnikova, uma das fundadoras do Pussy Riot, coletivo artístico e banda punk conhecido por sua atuação política. O grupo atingiu notoriedade após duas das integrantes terem sido presas em Moscou por cantar uma música de protesto ao apoio da igreja ao presidente da Rússia Vladimir Putin em uma catedral ortodoxa. Como reação à prisão, gritos de “free Pussy Riot” (liberte Pussy Riot) se espalharam pelo mundo inteiro. Veja abaixo os videoclips de alguns de seus hits. Uma ótima oportunidade para aqueles que não conhecem se familiarizarem com a banda.

Tendo o punk como base, suas músicas falam de temas como feminismo, autoritarismo, sistema judicial, opressão política e, muito incisivamente, atacam o presidente russo Vladimir Putin. Pussy Riot é um expoente entre tantas outras bandas de resistência que confrontaram o sistema vigente. Sem perder a alegria.

1. Punk Prayer, or Mother of God, Putin Put!

Este vídeo de 2012 mostra a apresentação que levou ao encarceramento de Nadya Tolokonnikova e Maria Alyokhina por quase dois anos.

[Em 21 de fevereiro de 2012] Nadya e mais quatro garotas fizeram um concerto performático na Catedral de Cristo Salvador, em Moscou, um dos principais templos da Igreja Ortodoxa Russa, de fortes laços com Putin.
Vestindo gorros coloridos cobrindo o rosto, elas apresentaram uma espécie de oração punk obscena chamada “Virgem Maria, Tire o Putin do Poder”, numa crítica ao apoio de lideranças da igreja à eleição do político naquele ano.
Dançaram e cantaram por apenas 90 segundos antes de serem detidas, mas o vídeo chegou ao YouTube e explodiu.
” (Folha de S. Paulo, 25 mar. 2019)

Acusadas de “vandalismo e intolerância religiosa”, ficaram detidas por 21 meses, parte deles na Sibéria, e foram soltas após uma anistia do presidente, às vésperas da Olimpíada de Inverno de 2014, em Sótchi.

2. Straight Outta Vagina

Feminismo é uma constante nas músicas da banda. Esta letra em particular, contou Nadya ao The Guardian, é uma resposta a falas sexistas e misóginas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Não seja burro, você veio de uma vagina”, diz o refrão.

3. Organs

Em russo, Nadya canta sobre o orgasmo feminino e as leis relacionadas aos direitos reprodutivos da mulher, mencionando figuras conservadoras da política e envolvidas com a KGB.

4. Make America Great Again

Crítica explícita ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A música carrega como nome o slogan da campanha e Nadya aparece fantasiada do político no vídeo. Ela critica o sexismo, o racismo e a xenofobia patentes no país, abordando principalmente a crise dos refugiados. Curiosamente, tudo isso é feito num ritmo de bossa nova.

5. Police State

Em tom de ironia, a banda critica o abuso de poder da força policial.

6. Putin Lights up the Fires

Música anti-Putin cantada em russo. Da lista, a que tem o ritmo mais próximo ao hardcore. A banda fala sobre como Putin, com suas ações condenáveis, acaba por “acender o fogo” da revolução.

_
livros relacionados

Um guia Pussy Riot para o ativismo

Nadya Tolokonnikova

Untitled-1