Como escrever seu nome em glifos maias


A Ubu encontrou um livro interessante sobre glifos maias. Traduzimos aqui o capítulo que ensina a escrever um nome moderno com os glifos. Leia os passos e divirta-se escrevendo seu nome. “Ubu”, por exemplo, pode ser escrita assim:

Passo 1: Divida seu nome em sílabas maias

As sílabas maias sempre terminam com uma vogal. Portanto, você deve dividir seu nome em sílabas que terminem com vogais. Pode ser que surjam uma ou mais sílabas extras quando você escrever seu nome com os glifos. Além disso, se uma das sílabas não termina com vogal, por convenção repete-se a vogal da sílaba precedente (“vogal silenciosa”).

Dividamos alguns nomes em sílabas maias.
Se o seu nome é Ana, a tarefa é fácil. Pode dividir Ana como a-na. As duas sílabas terminam com vogais. Se seu nome é Alan, a tarefa é um pouco mais difícil. Mas, usando a regra da repetição da vogal precedente, Alan pode ser dividido assim: a-la-n(a).

A vogal silenciosa pode estar no meio do nome. Por exemplo, se escrevemos Antonio em sílabas maias, temos a-n(a)-to-ni-o.

Passo 2: Encontre suas sílabas no silabário

Após dividir seu nome em sílabas, veja na tabela de sílabas das páginas 18-23 deste livro os glifos correspondentes. Caso encontre glifos para todas as sílabas, melhor!

O que fazer caso não encontre as sílabas de que precisa no silabário? Se o quadrado está em branco, isso quer dizer que o glifo maia da sílaba é desconhecido. Por exemplo, imagine que você precise da sílaba wu, mas só há wa no silabário. Nesse caso, use wa + a vogal de que precisa, formando wa+u.

Agora, suponhamos que seu nome seja Maria. Nesse caso, as sílabas seriam ma-ri-a. E, como você pode ver, a letra r não existe no silabário. Isso porque os antigos Maias não usavam a letra r.

Nesse caso, devemos usar um som semelhante, o de L. Para Maria, escrevemos ma-li-a. Pode ser que isso pareça pouco exato, mas está certo. É assim que os antigos Maias o pronunciariam.

Outras substituições de consoantes:

C (C suave, como em Célia) // Use S + vogal (sa, se, si, so, ou su ) // Célia = se-li-a

C (C forte, como em Catarina) // Use K + vogal // Catarina = ka-ta-li-na

D // Use T + vogal // David = da-bi-d(i)

F // Use P + vogal // Fabiana = pa-bi-a-na

G (G forte, como em Gustavo) //  Use K + vogal // Gustavo = ku-s(u)-ta-bo

H // não use nada

Q // Use K + vogal // Quiroa = ki-lo-a

R // Use L + vogal // Rebeca = le-be-ka

V // Use B + vogal // Vincente = bi-n(e)-se-n(e)-te

Z // Use Tz + vogal // Zoila = tzo-i-la

Antes de escolher os glifos de cada sílaba de seu nome, há algo mais que você precisa saber: escolha uma sílaba principal. Se seu nome tem 2 sílabas, adote como principal a sílaba tônica. Se seu nome tem 3 ou 5 sílabas, a sílaba principal, normalmente, é a sílaba do meio. Mas, se seu nome tem 4 ou 6 sílabas, deve escolher como sílaba principal uma das sílabas que estão no meio do nome. Idealmente, essa sílaba seria a tônica, ou teria um glifo de formato quadrado. Por exemplo, se seu nome é Anastácia, use ta como sílaba principal.

Passo 3: Ordene os glifos em blocos

Agora, devemos fazer blocos com os glifos das sílabas de seu nome. Veja um diagrama de como montar os glifos para formar um nome completo na página 40 do livro.

“Signo principal” é onde você deve colocar a sílaba principal de seu nome. Se possível, o glifo principal deve ser um dos grandes e quadrados.

Normalmente, a primeira sílaba do nome fica no espaço chamado “prefixo” (“prefijo”, em espanhol). As outras sílabas que ficam antes da sílaba principal devem ser colocadas no espaço chamado de “superíndice” (e também no “prefixo”, caso você precise de mais espaço).

As sílabas que seguem a sílaba principal devem ser posicionadas nos espaços denominados “sufixo”, ou “sufijo”, e “subíndice”. Tente usar glifos pequenos para todas as sílabas, com exceção da sílaba principal.

Por exemplo, se seu nome tem 5 sílabas, a primeira sílaba vai na posição do prefixo e a segunda na do superíndice. A sílaba central servirá como a sílaba principal, de modo a ficar no espaço do glifo principal. A penúltima sílaba tomará a posição do subíndice.

Sempre que possível, as sílabas devem ser todas agrupadas próximas ao glifo principal, de preferência tocando-o. Você pode girar os glifos para que eles se encaixem ao redor do glifo principal. Também é possível esticar os glifos o quanto for necessário para que a impressão geral seja agradável. No fim, o ideal é que você tenha um bloco em formato de quadrado, com bordas arredondadas. Abaixo, algumas ideias de combinação:

Use sua criatividade para montar como quiser! Experimente e deixe o seu glifo pessoal. É importante se divertir, mesmo tendo que seguir as regras.

Para ter acesso ao livro completo, clique aqui.

_

livros relacionados

Popol Vuh
Josely Vianna Baptista (tradução crítica)

Untitled-1