antropologia


Como escrever seu nome em glifos maias

A Ubu encontrou um livro interessante sobre glifos maias. Traduzimos aqui o capítulo que ensina a escrever um nome moderno com os glifos. Leia os passos e divirta-se escrevendo seu nome. “Ubu”, por exemplo, pode ser escrita assim: Passo 1: Divida seu nome em sílabas maias As sílabas maias sempre terminam com uma vogal. Portanto, você deve dividir seu nome em sílabas que terminem com vogais. Pode ser que surjam uma ou mais sílabas extras […]


“Um encontro entre Xavante e Maori” por Edgar Kanayko Xakriabá

A Ubu tem em seu catálogo o livro Arte e agência, de Alfred Gell, que, entre outras coisas, analisa alguns padrões de tatuagens de povos aborígenes, como os Maori. Em 2015, para participar da primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas, os Maori vieram ao Brasil. Durante o campeonato, Maori e Xavante se desafiaram em um rito de guerra, momento registrado pelo etnofotógrafo Edgar Kanayko Xakriabá, que também escreveu um relato sobre este dia e que aqui publicamos. […]


Prefácio de Arqueologia da violência, por Bento Prado Jr.

Republicamos aqui o prefácio escrito por Bento Prado Jr. para o livro Arqueologia da violência, de Pierre Clastres, no qual o autor comenta as principais ideias e o impacto de Clastres.     Prefácio A outrem, mais competente, caberia a tarefa de apresentar e analisar de forma sistemática a obra de Pierre Clastres, parcialmente conhecida pelo leitor brasileiro, graças à tradução de seu livro A sociedade contra o Es­tado1. Outro é o propósito desta breve […]


O diário de Malinowski

A publicação do Diário, no sentido estrito do termo, que Malinowski manteve ao longo de sua permanência em campo, gerou polêmica no meio da antropologia. Muitos antropólogos consideram a publicação dos escritos um desserviço à figura importante do autor. Intensamente pessoal e brutalmente honesto, o diário de Malinowski provavelmente não foi escrito para ser publicado. No entanto, sua leitura oferece uma janela para a mente do primeiro antropólogo a realizar uma observação participante. O diário […]


A duquesa de Cambridge e o significado da tatuagem do guerreiro Maori

<![CDATA[Em 2014, a duquesa e o duque de Cambridge, Kate Middleton e príncipe William, foram recebidos na Nova Zelândia por uma cerimônia Maori tradicional. O The Guardian fez uma reportagem sobre o acontecimento, que trata dos significados das tatuagens dos guerreiros Maori presentes. A Ubu tem em catálogo o livro Arte e agência, de Alfred Gell, que, entre outras coisas, analisa alguns padrões de tatuagens de povos aborígenes, como o Maori. Por isso, a Ubu […]


Malinowski, fotógrafo

A edição da Ubu de Argonautas do Pacífico Ocidental conta com um diferencial: a editora resgatou boa parte das imagens registradas por Malinowski na Nova Guiné, graças ao Arquivo Malinowski, organizado pela London School of Economics. As fotos retratam o dia a dia dos habitantes das ilhas Trobriand, suas habitações, seus rituais de troca, seus ritos de magia, suas técnicas de construção de canoas. A Ubu fez uma seleção de imagens do livro para esta […]


[SC] 16-20/7 Ubu no congresso de antropologia IUAES

De 16 a 20 de julho, acontecerA? em FlorianA?polis o 18A? Congresso Mundial de antropologia IUAES. O evento serA? na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Ubu estarA? presente vendendo livros com descontos especiais. As atividades de todos os dias comeA�arA?o A�s 8h e terminarA?o em horA?rios variados, algumas se estendendo atA� A�s 23h. Antropologia A� um dos pontos fortes da Ubu, conheA�a nosso catA?logo sobre o assunto acessando aqui. Para saber mais […]


Koch-Grünberg e a lenda de Macunaíma

A edição da Ubu de Macunaíma conta com o estabelecimento do texto de Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo e oferece uma nova chave de leitura ao romance, com foco especial para as fontes indígenas utilizadas por Mário de Andrade em sua composição. Mário, para escrever o clássico sobre o herói sem nenhum caráter, se valeu de muitas fontes. Como disse o próprio autor: “copiei, copiei às vezes textualmente […], não só os etnógrafos e os […]